Fortune Gems

Impacto direto

Reajustes da Petrobras acima do esperado levam projeções do IPCA de 2023 para acima de 5%

Maior parte dos analistas veem inflação de 2023 em 5,1%; mediana da projeção no Boletim Focus está em 4,84% há duas semanas

Por  Roberto de Lira -

Oreajuste nos preços no atacado pela Petrobras anunciado nesta terça-feira (15), de 16,3% para a gasolina e de 25,8% para o diesel, mexeram com as projeções de inflação para os próximos dois meses e para o IPCA fechado de 2023. Os analistas já veem a inflação ultrapassando o patamar de 5% no final do ano. No Boletim Focus divulgado ontem pelo Banco Central, a mediana das projeções está estacionada em 4,84% há duas semanas.

Nos cálculos da XP Investimentos, por exemplo, o impacto na taxa de inflação mensal será de 11 pontos-base no indicador de agosto e de 35 pontos-base em setembro. Como as altas projetadas dos combustíveis eram menores, a estimativa agora é que o IPCA de agosto fique em 0,25% (ante os 0,15% anteriores) e o de setembro alcance 0,59% (ante 0,26%).

“Tínhamos 6% de reajuste adicional em gasolina para distribuidoras até o fim do ano. Logo, como veio 16%, isso deixa cerca de 30 bps de viés de alta para nossa projeção de 4,6% para IPCA total de 2023”, comenta a XP

Leonardo Costa, da ASA Investments, afirma que a surpresa na intensidade do anúncio levou sua projeção para a inflação do ano de 4,8% para 5,1%. Isso vem de um impacto nas taxas mensais de agosto (de 0,12% para 0,22%) e de setembro (de 0,33% para 0,61%).

Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, calcula que o impacto direto do reajuste de gasolina no IPCA é de 29 bps, o que somado ao avanço do diesel chega a cerca de 31 bps.

“O relevante para o reajuste do diesel é o impacto indireto, que tende a elevar sobremaneira o custo de transportes da economia e tornar o processo desinflacionário menos intenso. Vale ressaltar que um reajuste dessa magnitude eleva o risco de eventuais manifestações de caminhoneiros”, alerta.

Com os reajustes, a projeção da inflação anual da Ativa subiu de 4,8% para 5,1%. Para o IPCA de agosto especificamente saltou de 0,08% para 0,23%. Já a previsão para a inflação de setembro passou de 0,26% para 0,41%.

A Ativa ainda comentou que consideramos a aplicação do reajuste como positiva para as ações da Petrobras, uma vez que afasta rumores sobre a prência de decisões políticas sobre  assuntos estratégicos da companhia.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Masterclass
As Ações mais Promissoras da Bolsa
Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Alexandre Espirito santo, economista-chefe da Órama Investimentos, também reviu para cima as projeções. “Estimamos que o efeito no IPCA seja dividido entre o mês de agosto (+13 bps), que passa a 0,36%, e de setembro (+25 bps), que vai a 0,57%, levando a projeção de 2023 para 5,1% (+38 bps), de 4,8% anteriormente.“

Para o JP Morgan, o aumento maior do que o esperado impulsionou a estimativa para o IPCA de agosto, de 0,12% para 0,19%. A projeção de setembro, por sua vez, subiu de 0,25% para 0,36%.

“Apesar disso, como fizemos alguns ajustes nas projeções de inflação do 4º trimestre sobre passagens aéreas e preços de alimentos mais baixos, mantemos nossa projeção de IPCA para o final do ano de 4,8%”, comenta o banco de investimentos em relatório.

“Vínhamos sinalizando que, desde o anúncio da nova política de preços o desconto à paridade havia aumentado de uma média de 1% para mais de 10%, atingindo máximos históricos. Após os ajustes, estimamos que o desconto para a paridade de importação deve ser de aproximadamente 9% no diesel e de 15% na gasolina.”

Ricardo Jorge, sócio da Quantzed, também estima uma alta entre 35 e 45 pontos-base para o IPCA do ano, o que levaria a inflação a superar os 5% no final de 2023, da atual estimativa de 4,7%.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O Itaú também vê um impacto adicional de aproximadamente 25 bps nos meses de agosto e setembro no IPCA. Com isso, a projeção da inflação para 2023 subiu de 4,9% para 5,1%. “Mantemos nossa projeção para o IPCA de 2024 em 4,3%”, diz o banco em relatório.

Para Rodrigo Correa, estrategista-chefe e sócio da Nomos, além do natural impacto do reajustes no IPCA, a pergunta que fica é se tal aumento será significativo para que se aborte os cortes planejados na Selic.

Ele comenta que, na ata da última reunião, o Copom sinalizou uma manutenção de cortes de 0,50% a cada reunião e que esse ritmo era o suficiente para manter as taxas de juros em patamar ainda restritivo por mais um tempo até que o processo de desinflação ocorra.

Após a notícia, de hoje, Correa diz que essa intenção ficar reforçada, com menor probabilidade de uma velocidade maior de cortes, de 75 pontos base.

Ele afirma ainda que o reajuste foi decidido para evitar que o desabastecimento ocorra. Ele critica o que chamou que “uma política de precificação completamente opaca, que desconsidera o interesse dos minoritários e usa a Petrobras para finalidades políticas.”

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Newsletter
Infomorning
Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia
Compartilhe
Fortune Gems Mapa do site