Fortune Gems

Fortune Gems - CEO de bancos destacam normalização da inadimplência com Desenrola e cenário de corte de juros

Em evento realizado nesta terça-feira, executivos de "bancões" apontaram cenário mais claro com reformas e corte de juros

Equipe Fortune Gems

Publicidade

O presidente do Santander Brasil (SANB11), Mario Leão, defendeu que o ciclo de corte de juros, iniciado pelo Banco Central no início do mês, seja duradouro. O BC cortou a taxa básica Selic em 0,50 ponto percentual, para 13,25% ao ano, e sinalizou a intenção de promover novas reduções na mesma magnitude nas próximas reuniões.

“A tese pela qual juro é bom para banco não é verdade. Tem uma parte do portfólio que se beneficia sim, mas juro alto freia a economia e aumenta o custo de financiamento”, disse Leão, durante painel na Conferência Anual Santander, em São Paulo, nesta terça-feira (22).

Já Milton Maluhy Filho, presidente do Itaú Unibanco (ITUB4), comentou sobre o  programa de renegociação de dívida do governo federal, Desenrola, e sobre o cenário de inadimplência com a medida e no cenário de corte de juros.

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Ele destacou que o programa é um sucesso e muito importante, mas não pode ser algo recorrente, uma vez que isso geraria um risco moral (“moral hazard”). Ou seja, o cliente iria se endividar e ficar sempre esperando o próximo programa do gênero.

Com relação ao cenário de crédito, apontou que a inadimplência para pessoa física já está se estabilizando, sem grandes preocupações. Para grandes empresas, o indicador de atraso terá normalização, sem que haja um “credit crunch” (crise de crédito).

Na mesma linha, Tarciana Medeiros, presidente do Banco do Brasil (BBAS3), concordou com Maluhy com a ideia de que haverá uma normalização, sem que haja previsão de sobressaltos num contexto de aprovação recente de reformas, Desenrola e queda na inflação e nos juros.

Continua depois da publicidade

Preocupações no radar

Contudo, há questões no radar. O presidente do BTG Pactual (BPAC11), Roberto Sallouti, disse que está “um pouco preocupado” com o cenário fiscal do Brasil, em sua visão muito dependente do aumento da arrecadação.

“Estou ainda um pouco preocupado com o cenário fiscal do Brasil. O governo está contando muito com incremento da arrecadação. Eu gostaria que também se focasse nos gastos”, disse Sallouti.

Sallouti afirmou ainda que o país não caminha para uma trajetória de dívida cadente, o que em algum momento terá que ser debatido pela sociedade.

Ao mesmo tempo, o presidente do BTG afirmou que a “grande ameaça” para a retomada do mercado de capitais, vista atualmente pela instituição, vem do exterior, mais especificamente dos Estados Unidos e da China.

“O que me preocupa muito hoje é o desaquecimento da China e o que está acontecendo com a taxa de juros nos EUA”, comentou.

Nas últimas semanas, uma série de dados econômicos e notícias vindas da China influenciaram negativamente os mercados globais, em meio às dificuldades do gigante asiático em reaquecer sua economia. No foco das tensões estão o setor imobiliário chinês.

No caso dos EUA, as dúvidas pairam em torno do futuro da política monetária do Federal Reserve, em um ambiente de inflação ainda acelerada.

(com Reuters)

Fortune Gems Mapa do site