Fortune Gems

Conteúdo editorial apoiado por
IM Trader

Fortune Gems - Com privatização no radar, o que esperar das ações da Copel pela análise técnica?

Mesmo com avanço de privatização, ações da companhia elétrica não avançam na Bolsa

Rodrigo Petry

Publicidade

As ações da Copel (CPLE6) operam sob a expectativa do processo de privatização, mas enfrentam dificuldade em deslanchar na Bolsa. Em 2023, os papéis sobem apenas 1,64%, sendo que em julho recuam 3,01%. No pregão desta quarta-feira (12), as ações caíram 0,61%, indo aos R$ 8,04.

Nessa semana, o noticiário foi agitado para Copel. Seus acionistas aprovaram a reforma do estatuto da empresa que permite a privatização. Entretanto, houve a retirada do item referente à migração da companhia elétrica para o Novo Mercado, como consequência direta da privatização.

Diante deste contexto, o Fortune Gems consultou grafistas para destrinchar o atual momento da companhia na Bolsa, com base na análise gráfica. Confira, agora, o que esperar das ações da Copel.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

CPLE6: Análise técnica

Para o curto prazo, o analista técnico Guilherme Schrepel, da Investimentos 4YOU, aponta que papel vem dentro de um processo de alta, realizando topos e fundos ascendentes, mas o seu preço começou a “falhar no rompimento da resistência, em R$ 8,30.”

“Com isso, as ações vêm caindo há alguns pregões, mas conseguindo se manter acima da região de suporte imediato, em R$ 8,05“, avalia.

Conforme ele, caso o preço ainda “desenvolva força para se segurar acima dessa região”, pode ocorrer uma retomada da “força compradora”, com projeção para o ativo atingir, novamente, os R$ 8,30.

Assim, acrescenta o analista, ocorrendo o rompimento da resistência – dos R$ 8,30 – pode-se projetar um possível alvo nos R$ 8,70.

Gráfico diário Copel: outubro/22 a julho/23

CPLE6; análise técnica; análise de ações; swing trade
Fonte: ProfitChart. Elaboração: Guilherme Schrepel

No sentido inverso, diz Schrepel, havendo o rompimento da região de suporte, “possivelmente”, o ativo poderá perder a média rápida de 17 períodos e, com isso, abrir oportunidade maior para buscar a região de fundo, em R$ 7,70.

“Nesse cenário o preço voltaria a testar a LTA (linha de tendência de alta) e, também, já teria dentro dessa mesma região a média de 200 períodos para servir como suporte móvel, podendo ser uma região de defesa compradora.”

Schrepel chama a atenção, porém, para o nível do Índice de Força Relativa (IFR).

“Mesmo com todo esse contexto apresentado com o zigue-zague ascendente, o indicador (IFR) não seguiu, ou seja, temos neste papel uma divergência de baixa; enquanto o gráfico de preço renova as máximas, o indicador não acompanha.”

Gráfico semanal Copel: abril/21 a julho/23

CPLE6; análise técnica; análise de ações; swing trade
Fonte: ProfitChart. Elaboração: Guilherme Schrepel

Sobre o médio prazo [veja o gráfico semanal acima], ele aponta que o preço de CPLE6 conseguiu confirmar um pivô de alta, “mas perdeu força” no momento em que testou a região de R$ 8,30. Assim, basicamente, a cotação do papel vem dentro de um processo lateral há três semanas.

“Caso o preço perca a média de 17 períodos, abre-se espaço para buscar R$ 7,50 (1) e R$ 7,20 (2). Caso este cenário de queda persista, acredito que a maior atenção precisa ser voltada para R$ 6,55, já que, se perder esse fundo, a queda pode ser grande e confirmar um topo duplo no semanal, com projeção em R$ 6,00 (1) e R$ 5,60 (2)”, diz Schrepel.

CPLE6: Alta no longo prazo

O analista técnico da Top Gain, Matheus Lima, reforça que as empresas do setor de energia elétrica dificilmente passam por longos períodos de desvalorização. E com a Copel não é diferente  [veja no gráfico abaixo], que “segue em tendência de alta no longo prazo há muitos anos.”

Gráfico semanal Copel: janeiro/18 a julho/23

CPLE6; análise técnica; análise de ações; swing trade
Fonte: ProfitChart. Elaboração: Matheus Lima

Leia também:

No médio prazo, ressalta ele, o papel está negociando dentro de um canal de alta que acelerou após romper a linha de tendência de baixa, “com um gap de fuga, que também serviu de suporte, no momento da correção, segurando o preço em R$ 7,30, aproximadamente.”

Para Lima, a próxima resistência mais relevante fica no topo anterior, marcado no final do ano passado, quando o papel subiu mais de 25%, a R$ 8,80 – por conta da confirmação, por parte de seu controlador, o Estado do Paraná, de privatizar a companhia.

Gráfico diário Copel: dezembro/21 a julho/23

CPLE6; análise técnica; análise de ações; swing trade
Fonte: ProfitChart. Elaboração: Matheus Lima

“O momento atual é super importante pois, nos últimos dias, o papel rompeu a última barreira de preço para poder alcançar o topo anterior, uma resistência no R$ 8, representada pela barra preta [do gráfico acima], onde, visivelmente, o preço respeitou como resistência, nos últimos meses”, avalia Lima.

Confira as últimas análise técnicas do Fortune Gems

Fortune Gems Mapa do site