Fortune Gems

Fortune Gems - IPCA-15 de agosto, Powell no Jackson Hole, China e noticiário político

Tudo o que o investidor precisa saber antes de operar na semana

Lara Rizério

(Shutterstock)

Publicidade

Depois de uma semana marcada por um recorde de pregões em queda do Ibovespa, interrompido somente na sexta, os investidores estarão de olho em diversos indicadores e notícias da política que podem mexer com o mercado nos próximos dias.

As mudanças ministeriais do presidente Lula ainda não foram anunciadas, mas podem acontecer em breve, apontam os analistas do Itaú.

Além disso, a votação do arcabouço fiscal pode avançar na semana (a medida precisa de votação final na Câmara para aprovar ou descartar as mudanças introduzidas no Senado).

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

É esperado acordo entre líderes da Câmara dos Deputados e Ministério da Fazenda para a aprovação do arcabouço fiscal. Está marcada uma reunião para segunda-feira em que se discutirão os detalhes da votação. Segundo Arthur Lira, Presidente da Câmara, se um acordo for atingido, é possível que a proposta seja votada já na terça-feira.

Enquanto isso, o Congresso resiste a algumas medidas de arrecadação lançadas pela equipe econômica, como a taxação de investimentos no exterior – que foi incluída na medida provisória do salário mínimo (MP 1.172), mas pode ser retirada pelos parlamentares. Além disso, é importante continuar monitorando as discussões sobre a reforma do IVA ao longo da semana, aponta o Itaú.

Entre os indicadores, a inflação será o destaque da agenda doméstica, com a divulgação do IPCA-15 de agosto na sexta-feira (25).

Continua depois da publicidade

“Esperamos que a inflação acelere para 0,19% (de -0,07% em julho), com pressões altistas vindas de veículos (com o fim do programa de descontos do governo) e gasolina (devido ao retorno integral do PIS/Cofins federais sobre o combustível)”, destaca o Itaú.

Vale ressaltar que a taxa anualizada deve subir para 4,1%, ante 3,2% em julho, devido a uma menor base de comparação após a desoneração do ano passado. Apesar da recente melhora nas medidas subjacentes, o banco não prevê uma nova desaceleração na margem.

O Bradesco também projeta uma variação positiva em relação a julho, justificada por altas pontuais em administrados e bens duráveis. Por outro lado, a deflação de alimentos deverá ser intensificada e os serviços continuarão desacelerando.

Também na sexta feira, sobre as contas externas, o Banco Central divulgará a nota do setor externo de julho. O Itaú projeta déficit de US$ 3,9 bilhões em transações correntes, ante superávit de US$ 5,4 bilhões registrado no mesmo mês do ano passado. A balança comercial deve registrar superávit de US$ 6,8 bilhões (maior volume de petróleo e soja), enquanto as contas de serviços e aluguéis devem apresentar impressão negativa de US$ 3,6 bilhões e US$ 7,3 bilhões, respectivamente (pressionadas principalmente por saídas de lucros e dividendos e saídas sazonais).

“Com esse resultado, projetamos que o déficit em transações correntes em 12 meses alcance US$ 48,5 bilhões (2,4% do PIB)”, avalia. Já o investimento estrangeiro direto deve apresentar resultado positivo de US$ 3,5 bilhões, resultando em superávit de US$ 75,0 bilhões em 12 meses. Com outra boa impressão, a situação externa deve se manter em patamares um tanto confortáveis, avalia o banco. Olhando para o futuro, projeta um déficit em conta corrente de 1,7% em 2023.

Fora isso, a confiança do consumidor da FGV de agosto será divulgada na sexta-feira. Além disso, ainda sem data definida, haverá o resultado da arrecadação de impostos de julho.

Jackson Hole é destaque na agenda internacional 

Na agenda internacional, as atenções estarão voltadas para o encontro de Jackson Hole.

“Mudanças Estruturais na Economia Global” foi o tema escolhido para o 46º simpósio anual de Jackson Hole, que acontece no Wyoming (EUA) entre os dias 24 e 26. O encontro é organizado pelo Federal Reserve de Kansas City e reúne banqueiros centrais ou seus representantes de todo o mundo, além de acadêmicos e outros pensadores econômicos influentes.

O presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, discursará na sexta, podendo trazer novidades sobre a condução da política monetária. Isso após uma ata do Fomc divulgada na última semana que elevou as projeções de um aperto monetário prolongado, afetando os mercados.

A semana também é de prévias dos PMIs (índices de gerentes de compras) nas principais economias desenvolvidas. Os números se concentrarão principalmente na quarta-feira (23), com a divulgação dos índices PMIs compostos no Reino Unido, Alemanha e Zona do euro pela S&P Global, enquanto o Markit divulga o PMI composto dos EUA.

Na China, já neste domingo (20), o banco central deve reduzir suas taxas de empréstimos de 1 ano e de 5 anos e, a depender do grau de ajuste e da comunicação oficial, o mercado pode reagir de maneira relevante, aponta a XP.

As atenções se voltam também para os desdobramentos no país do estresse financeiro e temores de eventual contágio diante da fraqueza do setor imobiliário.

Lara Rizério

Editora de mercados do Fortune Gems, cobre temas que vão desde o mercado de ações ao ambiente econômico nacional e internacional, além de ficar bem de olho nos desdobramentos políticos e em seus efeitos para os investidores.

Fortune Gems Mapa do site