Fortune Gems

Transportes

Leilão de rodovias: Estradas no Paraná serão teste para taxa de retorno de concessionárias

Leilão de dois lotes acontece em setembro; operadoras, no entanto, comemoram queda de preços de insumos de obras

Por  Augusto Diniz -

Os dois primeiros leilões de concessão de rodovias do atual governo federal acontecem nos dias 25 e 29 de setembro. Tratam-se de dois lotes – dos seis a serem concessionados – do pacote Rodovias Integradas do Paraná. Mas os principais grupos operadores de infraestrutura veem o negócio com cautela.

Tanto a EcoRodovias (ECOR3) quanto a CCR (CCRO3) estudam ainda a entrada na disputa. A favor está o fato de serem lotes de muito tráfego, já que envolvem trechos que passam pela região metropolitana da capital paranaense.

Marcelo Guidotti, CEO da EcoRodovias disse a analistas do mercado, para comentar os resultados do segundo trimestre, que os sistemas que vão a leilão são bastante “conhecidos e resilientes”.

O executivo, no entanto, reclamou que “são dois lotes que têm taxa de retorno inferior ao que está sendo usado por outros projetos”.

E acrescentou que “é preciso avaliar os riscos alocados, a complexidade do capex e o fato de que são rodovias que há dois anos não estão sendo recuperadas”.

Ele considera que neste último ponto pode-se trazer um custo a mais inicial e prejudicar a taxa de retorno à concessionária.

Leilão de Rodovias: Seletividade nos projetos

Como a EcoRodovias tem novas concessões com extensas obras a serem executadas, a expressão usada pelo CEO para os futuros leilões é “bastante critério”.

“Vamos ser mais seletivos e seguramente iremos escolher os projetos que sejam confortáveis à nossa capacidade (financeira)”, disse Guidotti.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Enquanto isso, Waldo Perez, CFO da CCR (CCRO3), também pontuou que o grupo está sendo criterioso com a participação nos próximos leilões de rodovia.

“Com relação aos lotes do Paraná, há como sempre, os competidores, que devem ser os mesmo, que tem ido frente a frente conosco”, disse.

“Vale lembrar que isso está em análise e os retornos estão um pouco apertados nesses dois lotes”, complementou o executivo da CCR, durante teleconferência para comentar os resultados do 2º trimestre.

Assim como a EcoRodovias, a CCR olha de muito perto a alta alavancagem e compromissos com as recentes concessões conquistadas. Mas crescimento orgânico segue no radar.

Masterclass
As Ações mais Promissoras da Bolsa
Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Leia também:

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Poder de fogo

“Para novos investimentos ainda temos poder de fogo. Vale mencionar que também temos alternativa de reciclagem de portfólio para abrir espaço no balanço”, afirmou Peres a analistas.

“Também conforme já fizemos no passado recente estamos abertos às parcerias onde há uma sinergia”, destacou. “São formas de crescermos de uma forma cautelosa, sustentável e sem onerar excessivamente o balanço”, pontou.

O CFO da CCR disse ainda que a estratégia é fazer apostas de novas concessões exclusivamente no Brasil nos modais de rodovias, mobilidade urbana e aeroportos, que são os que já atuam.

Nos dois lotes do Paraná a serem leiloados em setembro, o executivo fala em R$ 40 bilhões de capex. “Estamos analisando com muito carinho”, destacou.

Concessão da CCR (Divulgação)

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Queda de preço de insumos

O fato de a projeção de capex (investimentos em capital) ter caído em razão da queda de preço dos principais insumos e materiais de obras ajuda, por outro lado, as operadoras de infraestrutura a olharem com mais atenção aos novos leilões.

O CEO da EcoRodovias destacou na tele de resultados a redução de preço de insumos e materiais para construção pesada.

“Estamos experimentado momento de deflação. O índice das obras (Índice Nacional de Custo de Construção) está praticamente estável”, afirmou.

Guidotti vê esse aspecto como importante para a manutenção do capex dentro do estimado, mas evitou dizer que esse cenário poderá provocar grandes economias de custo à empresa.

Pressão menor

“A pressão como todas as commodities tem diminuído de forma significativa desde 2021. Tivemos reduções relevantes em todos nossos insumos”, disse Waldo Perez.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“O aço caiu 9% do ano passado para esse ano. Só neste ano o CAP (cimento asfáltico de petróleo) reduziu 11,5%. Tudo isso tem influência no capex de cada um de nossos projetos”, ressaltou o executivo.

“Então nossas precificações já contemplavam preços e insumos maiores que estavam hoje, porém são investimentos de 10 anos, 15 anos. Ou seja, fazemos toda uma gestão de contratação para nossa área de suprimentos de forma a mitigar inesperados aumentos”, finalizou.

Newsletter
Infomorning
Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Compartilhe
Fortune Gems Mapa do site