Fortune Gems

Fortune Gems - Reunião do Copom, “payroll” nos EUA, balanços de Petrobras, Bradesco e Apple

Tudo o que o investidor precisa saber antes de operar na semana

Mitchel Diniz

Logo do Banco Central na fachada da sede (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Publicidade

Por fim chega a tão aguardada semana de reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), a quinta em 2023. O Banco Central do Brasil começou a elevar os juros da economia em março de 2021. Na próxima quarta-feira (3), mais de dois anos depois, deve realizar o primeiro corte. Isso é o que prevê os 46 bancos e casas de análise ouvidos pela Refinitiv. A maioria, 78% dos consultados, acredita numa redução da Selic em 0,25 ponto percentual. Os demais fizeram uma aposta mais ousada, prevendo corte de 0,50.

O Itaú compartilha da opinião da maioria. Acredita que o BCB vai dar início ao ciclo de alívio monetário de forma cautelosa, dado que o núcleo e as expectativas de inflação continuam acima da meta, além da resiliência da atividade econômica e do mercado de trabalho.

“Na nossa visão, o balanço de riscos para a inflação vai continuar sendo descrito como simétrico e as autoridades devem manter expectativas de risco de desancoragem”, diz relatório escrito por Mario Mesquita, economista-chefe do Itaú.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Segundo ele, o Copom deverá indicar que vai conduzir a política monetária de acordo com a meta, avaliando a estratégia de política mais adequada para que essa convergência ocorra.

Assim, também vai ser importante monitorar o relatório Focus desta segunda-feira (31), com as previsões dos economistas para inflação, juros e Produto Interno Bruto (PIB) para 2023 e os próximos anos.

O Bradesco também aposta em um corte de 0,25 ponto percentual na quarta-feira e espera outras reduções em maior magnitude nas reuniões de setembro, novembro e dezembro, levando a Selic a 12% no final do ano.

Continua depois da publicidade

Na agenda de indicadores econômicos, o principal destaque é a produção industrial do mês de junho, dado a ser divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na terça-feira (1). O consenso Refinitiv aponta para uma variação mensal de 0,3%.

A balança comercial do mês de julho também vai ser divulgada na terça e a média das projeções do mercado aponta para um superávit de US$ 8,223 bilhões.

A primeira semana de agosto no Brasil também vai ser mercada pela retomada dos trabalhos no Congresso Nacional, com o fim do recesso. Assim, voltam à pauta a reforma tributária e o novo arcabouço fiscal, que depende de votação na Câmara dos Deputados para receber a sanção do presidente Lula.

Temporada de resultados do 2º tri ganha fôlego

Na agenda corporativa, o foco está nos resultados trimestrais das companhias listadas na Bolsa. Empresas de peso da carteira do Ibovespa vão divulgar seus números. O mais aguardado é o balanço da Petrobras (PETR3;PETR4), na quinta-feira (3), após o fechamento da Bolsa.

O Bradesco BBI projeta um lucro líquido de US$ 6,7 bilhões (-9% no trimestre), explicado por um impacto não caixa da valorização do real no trimestre. Enquanto isso, o FCFE (Fluxo de Caixa Livre) deve voltar a ser sólido.

O BBA, por sua vez, espera que a empresa reporte um lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) de US$ 12,4 bilhões, apresentando uma redução de 14% na comparação trimestral, devido a menores preços de petróleo e margens (rentabilidade) de refino.

E assim como nos últimos trimestres, as atenções vão se voltar aos dividendos distribuídos pela companhia.

Na mesma noite de quinta-feira, o Bradesco (BBDC4) divulgará seus resultados do segundo trimestre. O consenso Refinitiv prevê lucro líquido de R$ 4,544 bilhões para o banco no segundo trimestre. A cifra é 35,46% menor que a registrada um ano antes, mas supera o lucro de R$ 4,280 bilhões dos três primeiros meses de 2023.

A média das projeções do mercado aponta ainda para receita líquida com juros de R$ 16,878 bilhões, menor que os R$ 18,371 bilhões do primeiro trimestre e dos R$ 19,163 bilhões de um ano antes.

“Esperamos que o banco confirme que o segundo trimestre de 2023 foi o pico da inadimplência”, afirmam os analistas do Itaú BBA. Contudo, a casa ainda prevê uma recuperação lenta para o banco em 2023, com riscos de que o guidance seja revisado pela administração.

A semana ainda vai trazer os balanços de EcoRodovias (ECOR3), Klabin (KLBN11), Suzano (SUZB3), CSN (CSNA3), TIM (TIMS3), Ambev (ABEV3), Lojas Renner (LREN3), dentre outros. Confira o calendário completo aqui.

Dados do mercado de trabalho são destaque nos Estados Unidos

Depois que o Federal Reserve decidiu por retomar o ciclo de aperto monetário nos Estados Unidos, as atenções se voltam para os indicadores do mercado de trabalho, um dos principais geradores de inflação do país.

A maratona de dados começa na terça-feira com o relatório JOLTS, de vagas em aberto – o consenso Refinitiv prevê 9,620 milhões em junho, número levemente inferior ao registrado em maio (9,824 milhões).

A pesquisa ADP, de criação de empregos no setor privado, vai ser divulgada na quarta-feira (2) e a média da projeção de mercado aponta para 188 mil novas posições, menos da metade das 497 mil de junho – dado que surpreendeu e azedou o humor dos investidores.

Ambos os indicadores aquecem a divulgação do dado principal: o payroll do mês de julho, que vai ser apresentado pelo Departamento de Trabalho dos EUA na sexta-feira (4). O consenso Refinitiv prevê a criação que 200 mil empregos formais tenham sido criados no mês passado e que a taxa de desemprego, mais uma vez, tenha se mantido em 3,6%.

Na seara corporativa, a temporada de balanços do trimestre encerrado em junho continua e o grande destaque fica mais uma vez com as big techs. Na quinta-feira, saem os resultados da Apple (AAPL34) e da Amazon (AMZO34), após o fechamento  do mercado.

O consenso Refinitiv prevê lucro líquido reportado de US$ 18,718 bilhões para a Apple no terceiro trimestre fiscal de 2023, encerrado no último mês de junho. A cifra é menor que os US$ 24,160 do trimestre anterior, mas 66,33% maior que o resultado de um ano antes. A média das projeções do mercado aponta para receitas de US$ 81,561 bilhões, menor que os US$ 94,386 bilhões obtidos nos três primeiros meses deste ano.

Para a Amazon, o consenso Refinitiv prevê receitas de US$ 131,467 bilhões e lucro líquido reportado de US$ 3,760 bilhões.

Decisão do Banco Central inglês é destaque na Europa; atenção PMIs na China

Depois que o Banco Central Europeu decidiu por elevar os juros da economia do bloco em mais 25 pontos-base, a expectativa é que o Bank of England (BoE) vá pelo mesmo caminho em sua reunião de política monetária, que termina na quinta-feira. Assim, os juros básicos ingleses passariam a 5,25% ao ano.

O PIB preliminar da zona do Euro no segundo trimestre vai ser divulgado já nesta segunda-feira e a previsão é que desacelera em relação ao começo do ano, confirmando o que o BCE apontou na última semana. No mesmo dia também vai ser divulgado o índice de inflação do bloco, com expectativa de moderação, ainda que os preços continuem em patamares elevados.

Na Ásia, em meio a expectativas de estímulos à economia chinesa, uma leva de indicadores de atividade são esperados para os próximos dias, com índices de gerentes de compras (PMIs) que ainda tendem a se manter em território contracionista.

Mitchel Diniz

Repórter de Mercados

Fortune Gems Mapa do site