Fortune Gems

Conteúdo editorial apoiado por

Fortune Gems - De carona com alta na venda de carros, seguro auto cresce 12,38% no 1º semestre

Rio Grande do Sul, com aumento de 21,47%, e São Paulo, com alta de 13,47%, foram os destaques no período

Gilmara Santos

Publicidade

O emplacamento de veículos apresentou alta de quase 14% no primeiro semestre deste ano na comparação com igual período do ano passado. Foram 1,88 milhão de unidades vendidas nos primeiros seis meses deste ano contra 1,65 milhão em 2022.

O bom desempenho do setor contribuiu também para o mercado de seguros de automóveis, com a demanda no período registrando crescimento de 12,38% na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados do Índice Neurotech de Demanda por Seguros (INDS).

O indicador mede mensalmente o comportamento e o volume das consultas na plataforma da Neurotech, empresa de soluções de inteligência artificial aplicadas a seguros e crédito.

Masterclass

O Poder da Renda Fixa Turbo

Aprenda na prática como aumentar o seu patrimônio com rentabilidade, simplicidade e segurança (e ainda ganhe 02 presentes do Fortune Gems)

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os estados de Rio Grande do Sul, com aumento de 21,47%, e São Paulo, com alta de 13,47%, foram os destaques no período. Minas Gerais e Rio registraram aumento de 11,90% e 5,35%, respectivamente.

Em junho, quando comparado ao mês de maio, a demanda se manteve estável com leve queda de 0,33%.

Segundo Daniel Gusson, head comercial de seguros da Neurotech, a retração está relacionada ao menor número de consultas para a comparação dos preços das seguradoras, que passaram a se estabilizar em maio.

“O INDS mensura todas as consultas de cotações feitas na nossa plataforma. É preciso ponderar que nem todas as propostas são efetivadas, pois a aceitação da apólice depende de muitas variáveis de risco que vão impactar no seu valor”, explica.

O comportamento errático do INDS registrado nos primeiros meses do ano está relacionado à forte alta dos valores do seguro. Até então, os segurados estavam acostumados a somente renovar o seguro, sem cotar outras companhias, mas começaram a procurar o menor preço.

“O produto é muito parecido e, mesmo com o relacionamento com a seguradora, o preço passou a destoar tanto que não fazia mais sentido pagar a mais. Agora há uma acomodação deste movimento”, ressalta.

Veja também:

Gilmara Santos

Jornalista especializada em economia e negócios. Foi editora de legislação da Gazeta Mercantil e de Economia do Diário do Grande ABC.

Fortune Gems Mapa do site