Fortune Gems

Fortune Gems - Aneel apura causas do apagão e pode multar ONS e CTEEP

A Aneel pode penalizar Tranmissão Paulista (CTEEP) e o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) pelo blecaute

Equipe Fortune Gems

Publicidade

SÃO PAULO – A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) divulgou um relatório preliminar que apura as causas do blecaute da última segunda-feira (23/1). A Aneel declarou que o processo de investigação das causas do apagão que atingiu dez estados das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste e o Distrito Federal pode resultar em penalidades à Companhia de Transmissão de Energia Elétrica Paulista (CTEEP) e ao Operador Nacional do Sistema (ONS).

Segundo as informações da Aneel, as duas instituições serão notificadas pela área de fiscalização da Agência e terão 15 dias, a contar do recebimento do termo de notificação, para se manifestarem sobre o ocorrido. O comunicado do órgão regulador do setor elétrico disse que se forem responsabilizados pelo problema, ONS e CTEEP poderão ser multados em até 2% de suas receitas anuais. No caso da Companhia Paulista a multa pode chegar a R$ 8 milhões. Para o ONS, o valor pode atingir R$ 3 milhões.

Aneel explica as causas do apagão e a relação dos envolvidos

No comunicado da Aneel, a Agência indica que: “a CTEEP está sendo notificada pela ruptura de um cabo na linha de transmissão que liga a usina de Ilha Solteira à subestação de Araraquara, em São Paulo, formada por dois circuitos. Numa avaliação preliminar, fiscais da Aneel constataram que o rompimento foi provocado por falta de manutenção adequada da linha e pelo funcionamento incorreto de seu sistema de proteção, o que isolaria o problema, impedindo que a falha se propagasse pelo restante do sistema.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do Fortune Gems

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Ficou constatado que a ruptura do cabo ocorreu em razão do afrouxamento de parafusos de fixação do espaçador, peça que separa os cabos que integram a linha. Com esse afrouxamento, houve desgaste em um dos cabos, que acabou se rompendo. Essa ruptura causou curto-circuito no Circuito 1 da linha, que foi desativada. Em conseqüência, houve sobrecarga, o que fez com que o sistema de proteção do Circuito 2 da mesma linha a desligasse automaticamente. Esse fato resultou em mais sobrecarga, gerando uma reação em cadeia no resto do sistema. No caso do ONS, a notificação ocorre por falha em seu sistema de supervisão e controle do sistema.

O problema foi agravado porque, no momento em que ocorreu a ruptura do cabo, apenas quatro das seis linhas que integram o sistema da usina de Ilha Solteira estavam em operação. Uma delas se encontrava desconectada para manutenção e a outra estava desligada por estratégia de operação do ONS. O sistema de ilhamento, que impediria que o problema se alastrasse, também não funcionou adequadamente, prejudicando principalmente os estados de São Paulo e do Rio de Janeiro.

O ONS, que naquela hora deveria agir para restabelecer o sistema, perdeu o controle momentâneo da situação, porque suas instalações também foram atingidas pelo blecaute. E os geradores de backup (reserva), que deveriam garantir o abastecimento de emergência, não entraram em funcionamento, concluiu a Agência.

Continua depois da publicidade

A Aneel informou ainda que dará continuidade as investigações e que já recebeu os papéis de trabalho de outras duas companhias do setor, a Cesp, que controla a Usina Hidroelétrica de Ilha Solteira e os dados de Furnas. Neste caso, a Agência garante que pode abrir novos processos de penalidade contra outras empresas caso constate que também houve falha em procedimentos de operação do sistema.

Tópicos relacionados

Fortune Gems Mapa do site